Nos últimos anos, o home office tem se tornado a opção de muitos profissionais autônomos brasileiros. No entanto, até mesmo trabalhadores contratados em regime CLT têm conquistado o direito de optar pelo trabalho em casa.

No post de hoje, vamos apresentar o que é o teletrabalho e porque muitos brasileiros estão escolhendo este trabalho em casa. Confira!

Os benefícios do trabalho em casa

Com o avanço das tecnologias de informação e de comunicação, ficou muito mais fácil trabalhar de forma remota.

Provavelmente, um computador com internet e um smartphone são as únicas (ou principais) ferramentas utilizadas por um amplo leque de atividades profissionais.

O teletrabalho pode ser definido como a prestação de serviço realizada fora da sede da empresa. Aqui, entram o trabalho feito a partir de casa, em um espaço de coworking (escritório compartilhado) ou em telecentros.

Os motivos desses profissionais escolherem o home office (trabalho em casa) são muitos. Entre eles, está a otimização do seu tempo – pense em quantas horas você passa no trânsito para ir e voltar do trabalho! O equilíbrio entre sua vida pessoal e a profissional é outro dos benefícios alcançados.

Esse regime também surge como uma opção temporária para aqueles que têm filhos com até três anos de idade e não têm com quem deixar as crianças.

Além disso, sem ter de enfrentar o trânsito de grandes cidades, o profissional pode dedicar esse tempo extra para a família ou para os estudos.

Os benefícios não são apenas para quem faz o trabalho em casa. Para as empresas, o teletrabalho também é uma opção que gera economia para a organização. Isso porque pode-se investir menos em espaço físico ou na aquisição e manutenção de equipamentos.

Além disso, o trabalhador remoto pode se concentrar mais em suas atividades. Isso ajuda-os a serem mais focados, motivados e produtivos.

Os desafios do trabalho em casa

Para quem faz o trabalho em casa, manter o foco e evitar distrações de sua vida pessoal mostra-se um grande desafio. Construir uma rotina, com horário fixo para iniciar o trabalho e finalizá-lo é uma boa dica inicial para vencê-lo.

Já para as empresas que optam por esse regime de contratação também há desafios. É preciso criar (e monitorar!) mecanismos de controle de produtividade e de acompanhamento dos prazos.

Ferramentas como o Google Hangout, Slack e Trello podem ser grandes aliadas das duas partes, melhorando a comunicação e o fluxo de trabalho.

O que diz a legislação?

Com a aprovação da Reforma Trabalhista, o regime de trabalho remoto passou a ter uma regulamentação própria.

Um dos pontos da Reforma que geram mais dúvidas  é a questão da jornada de trabalho.

O novo texto, em tese, aponta que o empregado não estaria sujeito ao controle de ponto. Assim, ficando livre de descontos por faltas ou atrasos.

No entanto, ele também deixa de receber adicionais por horas extras. Isso poderia dar margem para exploração do empregado. Por isso, é provável que esse ponto da lei ainda seja revisto.

Independentemente dessa margem deixada pela lei, existem soluções tecnológicas no mercado que permitem controlar o ponto de funcionários remotos.

Assim como qualquer outro regime laboral, o trabalho em casa requer que o empregado tenha anotação em sua Carteira de Trabalho.

Além disso, o contrato de trabalho deverá conter cláusulas que definam que o trabalho será exercido parcialmente ou mesmo integralmente fora das dependências da empresa.

A Reforma também permite a opção de migrar entre o regime de teletrabalho ou presencial, desde que haja mútuo acordo.

Para tal, é necessário que haja uma comunicação prévia com 15 dias de antecedência.

E quem paga pelos equipamentos?

Também será no contrato de trabalho que deverá ser definido quem vai pagar pela aquisição e manutenção dos equipamentos. Além disso, deve constar quem efetuará eventuais despesas que o empregado venha a ter na execução do seu trabalho.

Com relação à Medicina e Segurança do Trabalho, cabe ao empregador instruir seu funcionário quanto a como evitar doenças e acidentes de trabalho.

No caso, o empregado se compromete, por meio de assinatura em termo de responsabilidade, a seguir à risca essas instruções.

Quanto aos demais benefícios como férias, décimo terceiro, etc., o empregado aqui mantém os mesmos direitos de um funcionário presencial.

E na sua empresa, como é a política de home office? Você já pensou na possibilidade de  trabalhar em casa? E na de contratar funcionários sob esse regime de trabalho? Compartilhe conosco nos comentários e até a próxima!

Trabalho em casa: o que você precisa saber
Classificado como:    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *